Papiloscopistas Policiais Federais e o Chapecoense

policia-federal-logo

Papiloscopistas Policiais Federais e o Chapecoense

Sem perda de tempo, os Papiloscopistas Policiais Federais foram decisivos na identificação das vítimas brasileiras do voo que levava o Chape

Para a identificação dos corpos dos brasileiros do acidente aéreo que vitimou 71 pessoas na semana passada nas proximidades do aeroporto José Maria Córdova, na Colômbia, o Instituto de Medicina Legal e Ciências Forenses da Colômbia contou com presença de uma equipe de Papiloscopistas Policiais Federais (PPFs) e do Instituto Nacional de Identificação (INI) da Diretoria-Executiva que -em Brasília- montou uma força-tarefa de 11 papiloscopistas e dois servidores administrativos e realizava os exames complementares além de elaborar os laudos periciais.

Laudos Prontos

Na quinta-feira (1º/12), às 2h50 da madrugada, todos os 64 laudos papiloscópicos foram concluídos e encaminhados para o Adido Policial da PF e para o Consulado Brasileiro na Colômbia. Havia 77 pessoas a bordo do avião da companhia LaMia, sendo 68 passageiros e nove tripulantes. Seis pessoas conseguiram escapar com vida desta tragédia, quatro brasileiros e dois estrangeiros.

ALETHIA

A Polícia Federal mobilizou todos os esforços enviando especialistas em identificação humana, especialmente em biometria das impressões digitais, treinados em DVI – Disaster Victim Identification (sigla para Identificação de Vítimas de Desastres), que contaram com o módulo portátil do Sistema ALETHIA, que possibilita a Identificação automatizada pelas impressões digitais, desenvolvido por PPFs do INI da Polícia Federal, o qual é capaz de armazenar e comparar fragmentos de impressões papilares, acelerando os exames realizados pelos PPFs, responsáveis pela confirmação final da identificação. O ALETHIA foi utilizado para fiscalização e controle de estrangeiros nos aeroportos brasileiros das cidades que sediaram jogos olímpicos 2016.

Modus Operandi

O Alethia, que significa “aquele que não admite a mentira”, foi carregado com as biometrias das impressões digitais obtidas na base de dados do próprio Instituto Nacional de Identificação e de diversos órgãos oficiais de identificação como Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Acre, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Detran/RJ.

Legado Olímpico dos PPFs

Durante os jogos Rio 2016, o Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, chamou atenção para o Sistema Alethia, afirmando que ele seria um dos grandes legados das Olímpiadas para a sociedade brasileira. O sistema foi fundamental para rapidez com que os corpos foram identificados.

Eficiência e orgulho para o Brasil

As autoridades colombianas que ficaram impressionadas com a eficiência do sistema e com o trabalho dos Papiloscopistas da PF, que foram capazes de identificar preliminarmente com precisão e rapidez cinquenta e dois corpos, ou seja, 81,25% do total.  Os demais corpos tiveram qu

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s